A formação do músico católico é fundamental e a pedra principal é sua obediência e concordância litúrgica.

PESQUISA

Carregando...

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Como escolher Músicas para Missa com base no ensino 79 da CNBB e no Missal Romano - Oração Universal

Oração Universal
Canto do Ordinário

A "Oração Universal"

FunçãoNa "Oração Universal", ou Oração dos Fiéis, exercendo sua função sacerdotal, o povo suplica por toda a humanidade.

Significado Litúrgico“Peçam, e lhes será dado! Procurem, e encontrarão! Batam, e abrirão a porta para vocês! Pois todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, a porta será aberta...” (Mt 7,7-9).
Na oração universal, como o próprio nome já sugere, rezamos por 5 principais intenções de toda a Igreja Universal (o nome católico significa universal): (1) pelas necessidades da igreja; (2) pelos poderes públicos; (3) pela salvação do mundo inteiro; (4) pelos que sofrem qualquer dificuldade; (5) pela comunidade local e pelas intenções particulares.
Nesta oração, o povo, exercendo sua função sacerdotal, suplica a Deus em nome de  todos os homens.

Forma:
  • Conhecemos várias. A primeira e mais solene é a da Sexta-feira da Paixão, em que as intenções também são cantadas.
  • A segunda: a assembléia responde às intenções proferidas pelo diácono, o cantor ou algum outro, com uma súplica, preferivelmente cantada, a fim de favorecer a unidade.
  • A terceira: todas as intenções são incluídas numa só oração, à qual se responde uma só vez.
  • Uma forma alternativa poderia ser a ladainha.
  • Finalmente, existe ainda a forma de anúncio das intenções seguido de silêncio orante, que poderia ser acompanhado de conveniente fundo musical. 

Ler Todo Artigo ►

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Arcanjos de Deus

A Igreja conhece o nome de três Arcanjo e a Liturgia celebra no dia 29 de setembro, a Festa a eles:
Miguel, Gabriel e Rafael, e lembra ao mesmo tempo todos os coros angélicos: Anjos, Arcanjos, Tronos, Querubins, Serafins, Tronos, Virtudes, Potestades e Poderes. Na Festa dos santos Arcanjos, a Igreja assim vê a glória de Deus manifestada em seus anjos:
‘Pai Santo, Deus eterno e todo poderoso, é a Vós que glorificamos ao louvarmos os anjos que criastes e que foram dignos do vosso amor. A admiração que eles merecem nos mostra como sois grande e como deveis ser amado acima de todas as criaturas. Pelo Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, louvam os anjos a vossa glória, as dominações vos adoram, e, reverentes, vos servem potestades e virtudes. Concedei-nos também a nós associar-nos à multidão dos querubins e serafins, cantando a uma só voz… (Prefácio).
São Rafael é guia de Tobias e dos viajantes. (Ver o livro de Tobias).
São Miguel era o antigo padroeiro da sinagoga judaica, agora é o padroeiro da Igreja universal; São Gabriel (‘Deus curou’) é o Anjo da Encarnação e talvez o da Agonia de Jesus no jardim das oliveiras; São Miguel, de modo especial foi cultuado desde os primeiros séculos do cristianismo.
No Apocalipse, São Miguel e seus anjos são mostrados como defensores do povo de Deus. ”Houve uma batalha no céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate, mas não prevaleceram.” (Ap 12,7). ”Vi, então, descer do céu um anjo, que tinha na mão a chave do abismo e uma grande algema. Ele apanhou o Dragão, a primitiva Serpente, que é o Demônio e Satanás, e o acorrentou por mil anos. Atirou-o no abismo, que fechou e selou por cima, até que se completasse mil anos, para que já não seduzisse as nações (Ap 20,1). O imperador Constantino, no século IV, erigiu a São Miguel Arcanjo um cpa_os_anjossantuário em Constantinopla às margens do rio Bósforo, no lado europeu, enquanto o imperador Justiniano construiu-lhe um outro santuário na outra margem do mesmo rio. A data de 29 de setembro foi a de consagração da igreja dedicada a São Miguel, no século V, a seis milhas da via Salária. Em Roma foi dedicado a São Miguel o célebre mausoléu do imperador Adriano, agora conhecido com o nome de Castelo de Santo Ângelo.A São Miguel é dedicado também o antigo santuário do século VI,  no monte Galgano, na Púglia, onde domina o mar Adriático que banha o lado oriental da Itália. Nas proximidades desta igreja, os longobardos venceram o encontro naval contra os serracenos e a vitória foi atribuída a uma aparição de São Miguel, o que deu origem a uma segunda festa ao Arcanjo, depois transferida para 29 de setembro.
São Gabriel, aquele que está diante de Deus, é o anunciador por excelência das revelações divinas. É ele que explica ao profeta Daniel como se dará a plena restauração, da volta do exílio ao advento do Messias. É ele que anuncia a Maria o nascimento de Jesus, é ele que anuncia também o nascimento do Percursor de Jesus, João Batista. Ele é muito estimado mesmo junto aos maometanos.
O novo calendário reuniu em uma só celebração os três arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, cuja festa caía respectivamente a 29 de setembro, a 24 de março e a 24 de outubro. Da existência destes anjos fala explicitamente a Sagrada Escritura, que lhes dá um nome e lhes determina a função. São Miguel, o antigo padroeiro da Sinagoga, é agora o padroeiro da Igreja universal; São Gabriel é o anjo da encarnação e talvez o da agonia do jardim das oliveiras; São Rafael é o guia dos viajantes. São Miguel, em particular, foi cultuado desde os primeiros séculos de história do cristianismo. O imperador Constantino erigiu-lhe um santuário nas margens do Bósforo, em terra européia, enquanto Justiniano construiu-lhe um no lado oposto. A data de 29 de setembro corresponde à da consagração da igreja dedicada no século V a são Miguel, a seus milhas da via Salária. A festividade difundiu-se rapidamente no Ocidente e no Oriente. Em Roma foi-lhe dedicado o célebre mausoléu de Adriano, agora conhecido com o nome de Castelo de Santo Ângelo. A São Miguel é dedicado o antigo santuário, surgido no século VI, que do Monte Galgano, na Púglia, domina o mar Adriático. Nas proximidades desta Igreja, a 8 de maio de 663, os longobardos obtiveram vitória no encontro naval com a frota sarracena, e o acontecimento da vitória, atribuída a uma aparição do anjo, deu origem a uma segunda festa transferida depois para 29 de setembro. São Gabriel, “aquele que está diante de Deus” (é seu cartão de visita”, quando vai anunciar a Maria a sua escolha para Mãe do Redentor), é o anunciador por excelência das revelações divinas. É ele que explica ao profeta Daniel como se dará a plena restauração, da volta do exílio ao advento do Messias. A ele é confiado o encargo de anunciar o nascimento do Precursor, João, filho de Zacarias e de Isabel. A missão mais alta que nunca foi confiada à criatura alguma é ainda sua: anunciar a Encarnação do Filho de Deus. Ele tem um prestígio muito especial até mesmo entre os maometanos. São Rafael, falado em um só livro da Sagrada Escritura, é o acompanhante do jovem Tobias, e por isso sua função é tida como guia de todos os que viajam. Foi ele que sugeriu ao seu jovem protegido o remédio para a cura da cegueira do pai, por isso é invocado também como curador (etimologicamente seu nome significa “Deus curou”). Sua festa a 24 de outubro havia entrado no calendário romano somente a partir de 1921.

Diferença entre Arcanjos e Anjos:
Arcanjos
- São enviados por Deus em missão de maior importância junto aos homens. Estão acima dos anjos, são anjos superluminosos, já que eles cuidam de diversos aspectos da existência humana. Os quadro arcanjos mais conhecidos são Gabriel (o anjo da transformação vibracional), Miquel (príncipe da Luz), Rafael (o anjo encarregado da cura) e Uriel (o anjo da salvação), são mensageiros que fazem a palavra divina. Considerados os mais importantes intermediários entre os mortais e Deus.
Anjos
- Os que têm a guarda de cada pessoa em particular, para desviá-la do mal e encaminhá-la ao bem, defendê-lo contra seus inimigos visíveis e invisíveis, e conduzi-lo ao caminho da salvação. Velam por sua vida espiritual e corporal e, a cada instante, enviam as luzes, forças e graças que necessitam. São eles os anjos que estão mais próximos da humanidade e mais preocupados com as questões humanas. Dentro da categoria dos anjos existem muitas subdivisões diferentes, cada uma com sua específica. São mensageiros de Deus, cuidam de coração dos homens.

Orações aos Santos Arcanjos
Oração à São Rafael pelos doentes
Ficai conosco, ó Arcanjo São Rafael, chamado ‘medicina de Deus’.
Afasta para longe de nós as doenças do corpo e da alma e trazei saúde às nossas mentes.
***
São
Miguel Arcanjo, glorioso príncipe do céu, protetor das almas, eu vos
chamo e invoco, para que me livreis de toda a adversidade e de todo o
pecado, e me façais progredir no serviço de Deus, conseguindo-me Dele a
graça da perseverança final, para que O vá possuir eternamente. Amém.
Glorioso São Miguel, rogai por nós!
São
Gabriel, glorioso Arcanjo, fortaleza de Deus, eu vos chamo e invoco,
para que me alcanceis a fortaleza, para desprezar o mundo, vencer o
demônio e dominar os meus apetites e paixões até o fim de minha vida,
carregando a minha cruz de cada dia com fé, alegria, paz, resignação e
ação de graças.
Glorioso São Gabriel, rogai por nós!
São
Rafael, glorioso Arcanjo, medicina de Deus, eu vos chamo e invoco, para
que cureis toda a cegueira e todas as enfermidades da minha alma, e me
ajudeis a fugir dos pecados, que causam tantos males. Amém.
Glorioso São Rafael, rogai por nós!
São
Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate, sede nosso refúgio contra a
maldade e as ciladas do demônio! Ordene-lhe Deus, instantemente o
pedimos; e vós, príncipe da milícia celeste, pela virtude divina,
precipitai no inferno a Satanás e a todos os espíritos malignos, que
andam pelo mundo para perder as almas. Amém.
Glorioso são Miguel, rogai por nós!

Do Livro: ”Os Anjos”, Prof Felipe Aquino

A hierárquia dos Anjos:
Seguindo o critério tradicional, são nove (9) os Coros ou Ordens Angélicas: Serafins, Querubins, Tronos, Dominações, Potestades, Virtudes, Principados, Arcanjos e Anjos, distribuídas em três Hierarquias.
Primeira hierarquia:
É formada pelos Santos Anjos que estão em íntimo contato com o Criador Dedicam-se a Amar, Adorar e Glorificar a DEUS numa constante e permanente frequência, em grau bem mais elevado que os outros Coros: Serafins, Querubins e Tronos.
Serafins:
O nome “seraph” deriva do hebreu e significa “queimar completamente”. Segundo o conceito hebraico, o Serafim não é apenas um ser que “queima”, mas “que se consome” no amor ao Sumo Bem, que é o nosso Deus Altíssimo.
Na Sagrada Escritura os Santos Anjos Serafins aparecem somente uma única vez, na visão de Isaias: (Is 6,1-2).
Seguindo o critério tradicional, são nove (9) os Coros ou Ordens Angélicas: Serafins, Querubins,Tronos, Dominações, Potestades, Virtudes, Principados, Arcanjos e Anjos, distribuídas em três Hierarquias.
Querubins:
São considerados guardas e mensageiros dos Mistérios Divinos, com a missão especial de transmitir Sabedoria. No início da criação, foram colocados pelo CRIADOR para guardar o caminho da Árvore da Vida.(Gn 3,24) Na Sagrada Escritura o nome dos Santos Anjos Querubins é o mais citado, aparecendo cerca de 80 vezes nos diversos livros. São também os Querubins os seres misteriosos que Ezequiel descreve na visão que teve, no momento de sua vocação: (Ez 10,12) Quando Moisés recebeu as prescrições para a construção da Arca da Aliança, onde o SENHOR habitou, o trono Divino foi colocado entre dois Querubins: (Ex 25,8-9.18-19) Estas considerações atestam que os Querubins são conhecedores dos Mistérios Divinos.
Tronos:
Acolhem em si a Grandeza do CRIADOR e a transmitem aos Santos Anjos de graus inferiores. São chamados “Sedes Dei” (Sede de DEUS).  Em síntese, os Tronos são aqueles Santos Anjos que apresentam aos Coros inferiores, o esplendor da Divina Onipotência.
Segunda hierarquia:
São os Santos Anjos que dirigem os Planos da Eterna Sabedoria, comunicando aqueles projetos aos Anjos da Terceira Hierarquia, que vigiam o comportamento da humanidade. Eles são responsáveis pelos acontecimentos no Universo. Esta Hierarquia é formada pelos seguintes Coros de Anjos: Dominações, Potestades e Virtudes.
Dominações:
São aqueles da alta nobreza celeste. Para caracteriza-los com ênfase, São Gregório escreveu: “Algumas fileiras do exército angélico chamam-se Dominações, porque os restantes lhe são submissos, ou seja, lhe são obedientes”. São enviados por Deus a missões mais relevantes e também, são incluídos entre os Santos Anjos que exercem a “função de Ministro de Deus”.
Potestades:
É o Coro Angélico formado pelos Santos Anjos que transmitem aquilo que deve ser feito, cuidando de modo especial da “forma” ou “maneira” como devem ser feitas as coisas. Também são os Condutores da ordem sagrada. Pelo fato de transmitirem o poder que recebem de Deus, são espíritos de alta concentração, alcançando um grau elevado de contemplação ao Criador.
Virtudes:
As atribuições dos Santos Anjos deste Coro, são semelhantes aquelas dos Santos Anjos do Coro Potestades, porque também eles transmitem aquilo que deve ser feito pelos outros Anjos, mas sobretudo, auxiliam no sentido de que as coisas sejam realizadas de modo perfeito. Assim, eles também têm a missão de remover os obstáculos que querem interferir no perfeito cumprimento das ordens do CRIADOR. São considerados Anjos fortes e viris. Quem sofre de fraquezas físicas ou espirituais, deve invocar por meio de orações, o auxílio e a proteção de um Santo Anjo do Coro das Virtudes.
Terceira Hieraquia:
É formada pelos Santos Anjos que executam as ordens do Altíssimo. Eles estão mais próximos de nós e conhecem a fundo a natureza de cada pessoa que devemassistir, a fim de poderem cumprir com exatidão a Vontade Divina: insinuando, avisando ou castigando, conforme o caso. Esta Hierarquia é formada pelos: Principados, Arcanjos e Anjos.
Principados:
Os Santos Anjos deste Coro são guias dos mensageiros Divinos. Não são enviados a missões modestas, ao contrário, são enviados a príncipes, reis, províncias, Dioceses, de conformidade com o honroso título de seu Coro. No livro de Daniel são também apresentados como protetores de povos: (Dn 10,13) Significa dizer, que são aqueles Anjos que levam as instruções e os avisos Divinos, ao conhecimento dos povos que lhe são confiados. Porém, quando esses mesmos povos recusam aceitar as mensagens do Senhor, os Principados transformam-se em Anjos Vingadores, e derramam as taças da ira Divina sobre eles, de forma a reconduzi-los através do castigo e da dor, de volta ao DEUS de Amor e Misericórdia que eles abandonaram propositalmente.
Arcanjos:
A ordem tradicional dos Coros Angélicos coloca os “Arcanjos” entre os “Principados” e os “Anjos”. Pelas funções que desempenha, acreditamos que ele deve estar colocado no mais alto Coro dos Santos Anjos. Gabriel também é chamado de Arcanjo, e da mesma maneira que Miguel, através das páginas da Sagrada Escritura, vê-se que é conhecedor dos mais profundos Mistérios de DEUS, inclusive foi Gabriel quem Anunciou a Maria que Ela estava cheia de graças e tinha sido escolhida pelo Criador, para Mãe de Deus Por outro lado, também Rafael é denominado pela Igreja como um Arcanjo. A respeito de Rafael, no Livro de Tobias, ele mesmo confirma que está diante de Deus:
“Eu sou Rafael, um dos sete Anjos que estão sempre presentes e tem acesso junto à Glória do Senhor”. (Tb 12,15)
Anjos:
Os Santos Anjos recebem as ordens dos Coros superiores e as executam. Outro aspecto que não pode ser esquecido, é o fato de que os Santos Anjos, guardadas as devidas proporções, estão mais perto da humanidade e por assim dizer, convivendo conosco e prestando um serviço silencioso mas de valor incomensurável à cada pessoa. O Criador inspirou o escritor sagrado no Livro Êxodo, da Bíblia Sagrada: “Eis que envio um Anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que tenho preparado para ti. Respeita a sua presença e observa a sua voz, e não lhe sejas rebelde, porque não perdoará a vossa transgressão, pois nele está o Meu Nome. Mas se escutares fielmente a sua voz e fizeres o que te disser, então serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários”. (Ex 23,20-22)
Querubins:
São considerados guardas e mensageiros dos Mistérios Divinos, com a missão especial de transmitir Sabedoria. No início da criação, foram colocados pelo Criador para guardar o caminho da Árvore da Vida.(Gn 3,24) Na Sagrada Escritura o nome dos Santos Anjos Querubins é o mais citado, aparecendo cerca de 80 vezes nos diversos livros. São também os Querubins os seres misteriosos que Ezequiel descreve na visão que teve, no momento de sua vocação: (Ez 10,12) Quando Moisés recebeu as prescrições para a construção da Arca da Aliança, onde o Senhor habitou, o trono Divino foi colocado entre dois Querubins: (Ex 25,8-9.18-19) Estas considerações atestam que os Querubins são conhecedores dos Mistérios Divinos.
Tronos:
Acolhem em si a Grandeza do Criador e a transmitem aos Santos Anjos de graus inferiores. São chamados “Sedes Dei” (Sede de Deus).  Em síntese, os Tronos são aqueles Santos Anjos que apresentam aos Coros inferiores, o esplendor da Divina Onipotência.
Segunda hierquia:
São os Santos Anjos que dirigem os Planos da Eterna Sabedoria, comunicando aqueles projetos aos Anjos da Terceira Hierarquia, que vigiam o comportamento da humanidade. Eles são responsáveis pelos acontecimentos no Universo. Esta Hierarquia é formada pelos seguintes Coros de Anjos: Dominações, Potestades e Virtudes.
Dominações:
São aqueles da alta nobreza celeste. Para caracteriza-los com ênfase, São Gregório escreveu: “Algumas fileiras do exército angélico chamam-se Dominações, porque os restantes lhe são submissos, ou seja, lhe sãoobedientes”. São enviados por Deus a missões mais relevantes e também, são incluídos entre os Santos Anjos que exercem a “função de Ministro de Deus”.
Potestades:
É o Coro Angélico formado pelos Santos Anjos que transmitem aquilo que deve ser feito, cuidando de modo especial da “forma” ou “maneira” como devem ser feitas as coisas. Também são os Condutores da ordem sagrada. Pelo fato de transmitirem o poder que recebem de Deus, são espíritos de alta concentração, alcançando um grau elevado de contemplação ao Criador.
Virtudes:
As atribuições dos Santos Anjos deste Coro, são semelhantes aquelas dos Santos Anjos do Coro Potestades, porque também eles transmitem aquilo que deve ser feito pelos outros Anjos, mas sobretudo, auxiliam no sentido de que as coisas sejam realizadas de modo perfeito. Assim, eles também têm a missão de remover os obstáculos que querem interferir no perfeito cumprimento das ordens do Criador. São considerados Anjos fortes e viris. Quem sofre de fraquezas físicas ou espirituais, deve invocar por meio de orações, o auxílio e a proteção de um Santo Anjo do Coro das Virtudes.
Terceira Hierarquia:
É formada pelos Santos Anjos que executam as ordens do Altíssimo. Eles estão mais próximos de nós e conhecem a fundo a natureza de cada pessoa que devem assistir, a fim de poderem cumprir com exatidão a Vontade Divina: insinuando, avisando ou castigando, conforme o caso. Esta Hierarquia é formada pelos: Principados, Arcanjos e Anjos.
Principados:
Os Santos Anjos deste Coro são guias dos mensageiros Divinos. Não são enviados a missões modestas, ao contrário, são enviados a príncipes, reis, províncias, Dioceses, de conformidade com o honroso título de seu Coro. No livro de Daniel são também apresentados como protetores de povos: (Dn 10,13)
Significa dizer, que são aqueles Anjos que levam as instruções e os avisos Divinos, ao conhecimento dos povos que lhe são confiados. Porém, quando esses mesmos povos recusam aceitar as mensagens do Senhor, os Principados transformam-se em Anjos vingadores, e derramam as taças da ira Divina sobre eles, de forma a reconduzi-los através do castigo e da dor, de volta ao Deus de Amor e Misericórdia que eles abandonaram propositalmente.
Arcanjos:
A ordem tradicional dos Coros Angélicos coloca os “Arcanjos” entre os “Principados” e os “Anjos”. Pelas funções que desempenha, acreditamos que ele deve estar colocado no mais alto Coro dos Santos Anjos. Gabriel também é chamado de Arcanjo, e da mesma maneira que Miguel, através das páginas da Sagrada Escritura, vê-se que é conhecedor dos mais profundos Mistérios de Deus, inclusive foi Gabriel quem Anunciou a Maria que Ela estava cheia de graças e tinha sido escolhida pelo Criador para Mãe de Deus. Por outro lado, também Rafael é denominado pela Igreja como um Arcanjo. A respeito de Rafael, no Livro de Tobias, ele mesmo confirma que está diante de Deus:
“Eu sou Rafael, um dos sete Anjos que estão sempre presentes e tem acesso junto à Glória do Senhor”. (Tb 12,15)
Anjos:
Os Santos Anjos recebem as ordens dos Coros superiores e as executam. Outro aspecto que não pode ser esquecido, é o fato de que os Santos Anjos, guardadas as devidas proporções, estão mais perto da humanidade e por assim dizer, convivendo conosco e prestando um serviço silencioso mas de valor incomensurável à cada pessoa. O Criador inspirou o escritor sagrado no Livro Êxodo, da Bíblia Sagrada: “Eis que envio um Anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que tenho preparado para ti. Respeita a sua presença e observa a sua voz, e não lhe sejas rebelde, porque não perdoará a vossa transgressão, pois nele está o Meu Nome. Mas se escutares fielmente a sua voz e fizeres o que te disser, então serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários”. (Ex 23,20-22)

Fonte: Cléofas
Ler Todo Artigo ►

Músicas para a Missa do 27° Domingo do Tempo Comum - Ano A

III semana do Saltério
A pedra que os construtores rejeitaram, esta é que se tornou a pedra angular.
cor verde

Entrada: Vem, vem louvar (Adoremos -cd Adoremos 1)


Ato Penitencial: Senhor, tende piedade de nós VI (cd Ordinário da Missa - Partes fixas)


Glória: Hino de Louvor -faixa 15 (cd Nossa Senhora da Conceição Aparecida e cantar a Liturgia)


Salmo Responsorial: Salmo 79(80) -A vinha do Senhor é a casa de  Israel (Músicas para Missa)


Aclamação ao Evangelho: Aleluia, Aleluia! (cd Celebrações Especiais 2)


Ofertório: Daqui do meu lugar (Padre Zezinho -cd Missa Fazedores da Paz)


Santo: Santo, Santo, é Santo o Senhor (cd Liturgia 01)


Aclamação Memorial: Todas as vezes que comemos deste Pão (Missa de Votos Temporários dos Irmãos da Pobreza do Santíssimo Sacramento)


Amém: Amém Doxologia


Abraço da Paz: Canto de paz (Louvemos o Senhor -cd Louvemos o Senhor Volume 6-7-8)


Cordeiro de Deus: Cordeiro de Deus -faixa 32 (Nossa Senhora da Conceição Aparecida e cantar a Liturgia)


Comunhão:
Pelos frutos que me dás (Padre Zezinho -cd Canções em Fé maior)

Somos teus servos Senhor (Comunidade IDE -cd Libertai)


Final: Dom de Deus (Nicodemos Costa -cd Revelação)


Considerações:
  1. Glória: essa letra do Glória foi aprovada pela CNBB, embora não seja o Hino de Louvor.
  2. Aclamação ao Evangelho: o versículo entre os "Aleluias" deve ser o do dia, não o da música.
  3. Santo: a letra contém palavras que não estão na oração do Sanctus, porém é fácil a adaptação da oração original.
Ler Todo Artigo ►

sábado, 27 de setembro de 2014

Como escolher Músicas para Missa com base no ensino 79 da CNBB e no Missal Romano - Creio

Creio
Canto do Ordinário


O "Creio"

Função: Por esta "Profissão de Fé" a assembléia responde à Palavra de Deus, proclamada na Liturgia da Palavra, confirmando para si mesma a regra de fé, no momento em que passa a celebrar a Liturgia Eucarística. 


Significado Litúrgico: A oração do Credo expressa os principais dogmas (princípios de fé) da Igreja Católica Apostólica Romana. Nele está contida toda a essência de nossa fé.
Existem basicamente 2 modelos: o mais comum e curto, recitado na maioria dos domingos, chama-se Símbolo dos Apóstolos; o mais completo e longo, reservado para ocasiões especiais, chama-se de Símbolo Niceno-Constantinopolitano, por causa dos concílios ecumênicos de Nicéia-Constantinopla, que explicita mais minunciosamente os princípios da fé católica.
A partir do século II, a fé católica foi posta à prova através de 3 principais heresias relacionadas à Trindade Santa, chamadas de Arianismo, Monarquianismo e Macedonianismo. Essas controvérsias foram totalmente esclarecidas pelos Concílios de Nicéia I (325 d.C.) e Constantinopla I (381 d.C.), cujas conclusões foram as seguintes: 
  • Igualdade de natureza do Filho com o Pai. Jesus é "Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai".
  • Fixação da data da Páscoa a ser celebrada no primeiro domingo após a primeira lua cheia da primavera (hemisfério norte).
  • Estabelecimento da ordem de dignidade dos Patriarcados: Roma, Alexandria, Antioquia, Jerusalém.
  • A confissão da divindade do Espírito Santo, e a condenação do Macedonismo de Macedônio, patriarca de Constantinopla. "Cremos no Espírito Santo, Senhor e fonte de vida, que procede do Pai, que é adorado e glorificado com o Pai e o Filho e que falou pelos profetas". "Com o Pai e o Filho ele recebe a mesma adoração e a mesma glória"(DS 150).
  • Condenação de todos os defensores do arianismo (de Ário) sob quaisquer das suas modalidades.
  • A sede de Constantinopla ou Bizâncio ("segunda Roma"), recebeu uma preeminência sobre as sedes de Jerusalém, Alexandria e Antioquia.
A Profissão de Fé pode ser cantada, geralmente em missas solenes, mas toda a assembléia deve conhecer bem o canto, para que ninguém fique sem cantá-lo por falta de conhecimento da melodia ou letra.


Forma:
  • O "Símbolo" da fé é o texto que tem sido menos musicado por nossos compositores, desde a introdução do vernáculo no Brasil.
  • Se for cantado, que seja numa simples cantinela evitando uma extensa e complicada estrutura musical.
  • Também para o canto do "Creio", a forma alternada em dois grupos é a mais indicada. 

Este canto é o próprio rito da profissão de fé e deve ser cantado integralmente, sendo que a letra do canto deve obrigatoriamente possuir todo o conteúdo da oração recitada:

Símbolo dos Apóstolos
Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra; e em Jesus Cristo, Seu único Filho, nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos; creio no Espírito Santo; na santa Igreja católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

Símbolo Niceno-Constantinopolitano
Creio em um só Deus, Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos. Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação, desceu dos céus, e se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as escrituras, e subiu aos céus, onde está sentado à direita do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado; Ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja, una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo para a remissão dos pecados, e espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir. Amém.

É falsa, portanto, a idéia de que apenas basta ter as invocações de “Creio no Pai, Creio no Filho e Creio no Espírito Santo”, para que um canto seja verdadeira Profissão de fé. Com isso, podemos constatar que é um ERRO LITÚRGICO bastante comum em inúmeras paróquias e em inúmeros grupos de canto, a substituição da recitação da Profissão de fé por cantos que não a contenham integralmente.

Ler Todo Artigo ►

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Como escolher Músicas para Missa com base no ensino 79 da CNBB e no Missal Romano - Aclamação ao Evangelho

Aclamação ao Evangelho

As aclamações: Em cada celebração eucarística, cinco aclamações, necessariamente, devem ser cantadas, mesmo naquelas celebrações em que nenhuma outra parte for cantada: o "Aleluia", o "Santo", a Aclamação Memorial (logo após a narrativa da Instituição da Eucaristia), o grande "Amém" (após a doxologia final) e o "Vosso é o Reino..." (após o embolismo que se segue ao Pai-nosso). Na Celebração Dominical da Palavra, três destas aclamações não podem faltar: o "Aleluia", antes do Evangelho, o "Santo", após o canto da "louvação", e o "Vosso é o Reino", após o Pai-nosso. 

O "Aleluia"


Função: A aclamação "Hallelu-Jah" ("Louvai ao Senhor!"), que tem sua origem na liturgia judaica, ocupa lugar de destaque na liturgia cristã. Mais do que apenas ornamentar a procissão do Livro, sempre foi a expressão de acolhimento solene de Cristo, que vem a nós por sua palavra viva, sendo assim manifestação da fé nesta presença atuante do Senhor. No caso de uma procissão da Bíblia (ou Lecionário) já ter sido feita antes da primeira leitura, poderia ser executada uma dança (litúrgica) antes da proclamação do Evangelho, ao ser cantado o Aleluia. 

Significado Litúrgico: O Evangelho é o próprio Cristo que nos vem falar a boa notícia. É por isso que, de pé, na posição de quem ouve o recado para ir logo anunciá-lo, todos nós aclamamos a Cristo que vem anunciar suas palavras de salvação, cheios de imensa ALEGRIA.


Forma:

  • Por ser diferente do Salmo Responsorial, o verso entre o canto duplo do "Aleluia", em geral, é uma citação do evangelho que se segue.
  • No tempo em que o "Aleluia!" é omitido, cante-se um verso aclamativo da Sagrada Escritura (por exemplo, Mt 4,4) ou uma doxologia do Novo Testamento (por exemplo, 1Tm 6,16 ou 1Pd 4,11 ou Ap 1,6).
  • O "Aleluia" ou o versículo antes do Evangelho podem ser omitidos, quando não são cantados, e substituídos por um momento de reflexão em silêncio.
  • É de bom costume repetir o "Aleluia!" após o Evangelho, como já ocorre em algumas comunidades.
Dicas:

  • O Aleluia canta-se em todos os tempos fora da Quaresma. Os versículos tomam-se do Lecionário ou do Gradual. Na Quaresma, em vez do Aleluia canta-se o versículo antes do Evangelho que vem no Lecionário. Também se pode cantar outro salmo ou tracto, como se indica no Gradual.
  • No caso de Aleluia já pronto, como por exemplo "Aleluia quando estamos unidos" (Padre Zeca -cd Deus é Dez), é obrigatório substituir o versículo entre o Aleluia (no caso: "quando estamos unidos") pelo do dia. O mesmo vale para todas as canções, onde pode-se manter a melodia mais não o versículo que é único a cada dia.

Este canto é o próprio rito de aclamação ao evangelho e deve ser cantado integralmente.

Para que um determinado canto possa ser considerado como canto de aclamação ao evangelho, este deve obrigatoriamente conter a palavra ALELUIA, que significa alegria, exceto no Tempo da Quaresma onde este aleluia é vetado, em virtude do forte tempo de penitência e contrição.

Exemplos:
  1. Aclamação (cd Campanha da Fraternidade 2013)
  2. Aclamação ao Evangelho (O Senhor reconciliou o mundo) (cd Liturgia 07 Tempo comum ano A - 20º ao 34º DTC)
  3. Aclamação ao Evangelho -faixa 03 (cd Liturgia VI Tempo Comum - Ano A)
  4. Aclamação ao Evangelho -faixa 06 (cd Liturgia 07 Tempo comum ano A - 20º ao 34º DTC)
  5. Aclamação ao Evangelho -faixa 10 (cd Liturgia VI Tempo Comum - Ano A)
  6. Aclamação ao Evangelho -faixa 11 (cd Liturgia 07 Tempo comum ano A - 20º ao 34º DTC)
  7. Aclamação ao Evangelho -faixa 13 (cd Liturgia VI Tempo Comum - Ano A)
  8. Aclamação ao Evangelho -faixa 17 (cd Liturgia 07 Tempo comum ano A - 20º ao 34º DTC)
  9. Aclamação ao Evangelho -faixa 20 (cd Liturgia VI Tempo Comum - Ano A)
  10. Aclamação ao Evangelho -faixa 21 (cd Liturgia 07 Tempo comum ano A - 20º ao 34º DTC)
  11. Aclamação ao Evangelho -faixa 25 (cd Liturgia VI Tempo Comum - Ano A)
  12. Aleluia (cd Liturgia XVI Pascoa ano A)
  13. Aleluia (cd No Coração da Jornada)
  14. Aleluia (Ministério São Bento)
  15. Aleluia (Monsenhor Jonas Abib -cd Vem Louvar II)
  16. Aleluia (Padre Marcelo Rossi -cd Ágape Amor Divino)
  17. Aleluia -faixa 10 (Comunidade Recado -cd Cânticos para Missa)
  18. Aleluia vamos aclamar (cd Cantando o novo Milênio)
  19. Aleluia! (cd Acolhendo a Palavra)
  20. Aleluia, alegria, minha gente (cd Missa da Ressurreição - Hinário Liturgico da CNBB)
  21. Aleluia, Aleluia! (cd Celebrações Especiais 2)
  22. Aleluia, ao ouvir Tua Voz (Comunidade Shalom -cd Ressuscitou)
  23. Aleluia, pois nós vimos Sua estrela (cd Liturgia V Natal)
  24. Aleluia, quando estamos unidos (Padre Zeca -cd Deus é Dez)
  25. Aleluia, Santo Evangelho, vamos aclamar
  26. Alleluia (Comunidade Ecumênica Taizé -cd Alleluia)
  27. Alleluja 17 (Comunidade Ecumênica Taizé -cd Tu es fonte de Vida)
  28. Alleluja ortodoxo (Comunidade Ecumênica Taizé -cd Tu es fonte de Vida)
  29. Buscai Primeiro (Monsenhor Jonas Abib -cd Collection)
  30. Escuta, Senhor (cd Campanha da Fraternidade 2014)
  31. Glória e louvor a Vós, ó Cristo (cd Campanha da Fraternidade 2011)
  32. Gospel Acclamation (Imyimbo -cd CD 2)
  33. Halleluja (cd Missa Mundi WYD 2005)
  34. Louvor a vós, ó Cristo (cd Campanha da Fraternidade 2014)
  35. Louvor e Glória a Ti, Senhor (cd Campanha da Fraternidade 2012)
  36. Luz para o meu caminho (Ministério Amor e Adoração -cd Celebração - Canções Litúrgicas)
  37. O Senhor reconciliou o Mundo (cd Liturgia VII - Tempo Comum - Ano A - 20° ao 34° DTC)
  38. Resplandeceu (Comunidade Shalom -cd Na dança da Vida)
  39. Salve, ó Cristo obediente (cd Liturgia XIII - Quaresma Ano A)
  40. Tua Palavra (Comunidade Shalom -cd Um Só corpo - 30 anos)

Ler Todo Artigo ►

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Como escolher Músicas para Missa com base no ensino 79 da CNBB e no Missal Romano - Salmo

Salmo
O Salmo Responsorial

Função: Para a Liturgia da Palavra ser mais rica e proveitosa, há séculos um salmo tem sido cantado como prolongamento meditativo e orante da palavra proclamada. Ele reaviva o diálogo da Aliança entre Deus e seu povo, estreita os laços de amor e de fidelidade. A tradicional execução do Salmo Responsorial é dialogal: o povo responde com um curto refrão aos versos sálmicos, cantados por um solista. Deve ser cantado ou proclamado do ambão.

Significado Litúrgico: Os Salmos, em número de 150, são partes integrantes da Liturgia da Palavra. Sempre estão em concordância com a Primeira Leitura, sendo uma resposta aos apelos desta, ou seja, o salmo é responsorial porque o povo, após ouvir a palavra de Deus na 1ª Leitura, responde em concordância com o que acabou de ouvir.
A palavra Salmo significa oração cantada e acompanhada de instrumentos musicais, originária das poesias colhidas da fé do povo israelita. É por isso que todo Salmo deve ser cantado e toda a assembléia deve responder cantando com um refrão.

O Salmo de resposta é parte integrante e insubstituível da Liturgia da Palavra, aliás tem estreitas ligações teológicas com a 1ª Leitura e existe, o Salmo, como exclusiva resposta a ela, como já foi exposto acima. É por isso que nenhum grupo de canto tem a autoridade de modificar o Salmo do dia.
O Salmo de resposta deve ser SEMPRE cantado, pois o mesmo é um canto originário do povo israelita. Quando o coro não souber a melodia do Salmo, o grupo deve adaptar a letra a outra melodia já conhecida.

Como o nome também sugere, o Salmo deve ter uma resposta do povo, onde o refrão deve ser cantado pelo povo.

Forma:
  • Há duas maneiras de se proclamar os versos dos Salmos: por versículos ou por estrofes.
  • No Hinário Litúrgico (fascículos 1, 2 e 3) encontram-se salmos e refrãos próprios para cada domingo do ano litúrgico (anos A, B e C). 
  • Outros Salmos e refrãos, com ou sem arranjos, podem ser usados, mais sempre em forma dialogal e em sintonia com o tempo litúrgico, a festa ou ocasião.
  • Como "parte integrante da Liturgia da Palavra", este Salmo é sempre um texto bíblico,comumente extraído do Saltério.
  • O canto do Salmo, ajustado à Leitura que o precede, não pode ser substituído, então, por um canto qualquer sobre a palavra de Deus, como durante um certo tempo se andou fazendo com os chamados "cantos de meditação", por falta, é claro, de cantos apropriados, o que não é mais o caso após a introdução do Hinário Litúrgico.
  • Para facilitar a acolhida da Palavra de Deus, é recomendável breve período de silêncio entre a leitura e o canto do Salmo Responsorial. 

Dicas:
  • É recomendável ao Salmista que ao "chegar" no ambão, faça um breve momento de silêncio e logo em seguida, diga o número do Salmo que será cantado.
  • Em caso de Ministérios de Música que tenham mais de dois cantores é recomendável que um deles se ponha na celebração apenas como salmista, ou seja, seu canto fique em exclusividade do Ministério do Salmo que deve ser a parte dos demais. O salmista, assim, não cante as outras partes da Missa, ficando o mesmo no altar e adentrando na procisão de entrada a frente e segurando a Cruz.
  • Uma boa introdução instrumental também é bem vinda antes de se iniciar o canto do Salmo.
Exemplos:
  1. Dn 3, 52-56 (Portal da Música Católica)
  2. Salmo 15(16) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  3. Salmo 21(22) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  4. Salmo 22(23) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  5. Salmo 22(23) (Canção Nova -online)
  6. Salmo 23(24) (Portal da Música Católica)
  7. Salmo 24(25) (Comunidade Shalom -cd Salmos para Celebrar 2)
  8. Salmo 26(27) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  9. Salmo 28(29) (Portal da Música Católica)
  10. Salmo 32(33) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  11. Salmo 32(33) (Canção Nova -online)
  12. Salmo 33(34) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 2)
  13. Salmo 39(40) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  14. Salmo 44(45) (2) (Portal da Música Católica)
  15. Salmo 46(47) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 2)
  16. Salmo 50(51) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  17. Salmo 61(62) (Portal da Música Católica)
  18. Salmo 62(63) (Portal da Música Católica)
  19. Salmo 64(65) (Portal da Música Católica)
  20. Salmo 65(66) (Eliana Ribeiro -cd Ao Mestre do canto - Salmos)
  21. Salmo 68(69) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 2)
  22. Salmo 71(72) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  23. Salmo 77(78) (Portal da Música Católica)
  24. Salmo 79(80) -A vinha do Senhor é a casa de  Israel (Músicas para Missa)
  25. Salmo 84(85) (Canção Nova -online)
  26. Salmo 85(86) (Portal da Música Católica)
  27. Salmo 94(95) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  28. Salmo 94(95) (Canção Nova -online)
  29. Salmo 102(103) (Comunidade Shalom -cd Salmos para Celebrar 1 - Shalom)
  30. Salmo 103(104) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 2)
  31. Salmo 111(112) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  32. Salmo 117(118) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  33. Salmo 118(117) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  34. Salmo 118(119) (2) (Portal da Música Católica)
  35. Salmo 118(119) (Canção Nova -online)
  36. Salmo 129(130) (Adrielle Lopes -cd Salmos - Vol. 1)
  37. Salmo 137(138) (3) (Portal da Música Católica)
  38. Salmo 144(145) (3) (Portal da Música Católica)
  39. Salmo 144(145) (4) (Portal da Música Católica)
  40. Salmo 144(145) (Comunidade Canção Nova cd Entoai Salmos - Cantai ao Senhor Deus uma Canção Nova)
Ler Todo Artigo ►