A formação do músico católico é fundamental e a pedra principal é sua obediência e concordância litúrgica.

PESQUISA

Carregando...

quarta-feira, 1 de julho de 2015

LITURGIA DO 14° DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

II semana do Saltério


Um profeta só não é estimado em sua pátria.

cor verde

Antífona de entrada:


Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio do vosso templo. Vosso louvor se estenda, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos (Sl 47,10s).

Oração do dia

Nós vos pedimos, ó Deus, que, enriquecidos por essa tão grande dádiva, possamos colher os frutos da salvação sem jamais cessar vosso louvor. Por Cristo, nosso Senhor. 

Músicas para a Missa da Festa de São Tomé Apóstolo - Ano B

Ofício festivo
Acreditaste, Tomé, porque me viste. Felizes os que crêem sem ter visto.

terça-feira, 30 de junho de 2015

CANTO E MÚSICA NA LITURGIA PÓS-CONCÍLIO VATICANO II

Princípios teológicos, litúrgicos, pastorais e estéticos

Texto produzido pelo setor “Música Litúrgica” da CNBB

Introdução

Este subsídio resume de maneira sugestiva o que de mais importante vem se definindo como rumos e diretrizes para o fazer litúrgico-musical entre nós, desde a promulgação da Constituição sobre a Sagrada Liturgia, do Concílio Vaticano II, em 1963. É o resultado significativo de sucessivos encontros promovidos pelo Setor de Música Litúrgica da CNBB, ao longo do ano de 2004, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Sul.

REDUZIR A MAIORIDADE PENAL NÃO VAI RESOLVER A VIOLÊNCIA, DIZ UNICEF

Um vídeo lançado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) faz um alerta contra a redução da maioridade penal. Para a organização, a sociedade está preocupada com a violência, mas culpar os adolescentes pela violência não é a solução para o problema. A proposta de emenda à Constituição (PEC) 171/93 que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal para quem praticar crimes graves será votada nesta terça, dia 30 de junho, no plenário da Câmara dos Deputados.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

PAPA E SUCESSÃO APOSTÓLICA

São Cipriano (?258), bispo de Cartago, defensor da unidade da Igreja:
“O Senhor diz a Pedro: “Eu te digo que és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja e as portas do  inferno não prevalecerão sobre ela. Dar-te-ei  as  chaves  do reino  dos céus (…). O Senhor edifica a sua Igreja sobre um só, embora conceda igual poder a todos os apóstolos depois de sua ressurreição, dizendo: “Assim como o Pai me enviou, eu os envio. Recebei o Espírito Santo, se perdoardes os pecados de alguém, ser-lhes-ão perdoados, se os retiverdes, ser-lhes-ão retidos. No entanto, para manifestar a unidade, dispõe por sua autoridade a origem desta mesma unidade partindo de um só. Sem dúvida, os demais apóstolos eram, como Pedro, dotados de igual participação na honra e no poder; mas o princípio parte da unidade para que se demonstre ser única a Igreja de Cristo… Julga conservar a fé quem não conserva esta unidade da Igreja? Confia estar na Igreja quem se opõe e resiste à Igreja? Confia estar na Igreja, quem abandona a cátedra de Pedro sobre a qual está fundada a Igreja?” (Sobre a Unidade da Igreja).

Músicas para a Missa do 14° Domingo do Tempo Comum - Ano B

IV semana do Saltério

Um profeta só não é estimado em sua pátria.

domingo, 28 de junho de 2015

É PRECISO CURAR AS FERIDAS NA FAMÍLIA

Na catequese da quarta-feira, 24 de junho, o papa Francisco prosseguiu sobre as reflexões “sobre as feridas que se abrem justamente dentro da convivência familiar”. O pontífice recordou da unidade necessária para que  o matrimônio gere bons frutos, como o cuidado na criação dos filhos no amor. “Na família, tudo é interligado: quando a sua alma é ferida em qualquer ponto, a infecção contagia todos”, disse Francisco.
Ao final da mensagem lembrou: “Não faltam, graças a Deus, aqueles que, apoiados pela fé e pelo amor pelos filhos, testemunham a sua fidelidade a um laço no qual acreditaram, por mais que pareça impossível fazê-lo reviver”.
Confira a íntegra da catequese: