A formação do músico católico é fundamental e a pedra principal é sua obediência e concordância litúrgica.
CASO O PLAYER DE ÁUDIO NÃO CARREGUE, ATUALIZE O NAVEGADOR ATÉ QUE SEJA ATIVADO O botão "PLAY".

quarta-feira, 15 de julho de 2015

LITURGIA DO 16° DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

IV semana do Saltério


Eram como ovelhas sem pastor.

cor verde

Antífona de entrada:



É Deus quem me ajuda, é o Senhor quem defende a minha vida. Senhor, de todo o coração hei de vos oferecer o sacrifício e dar graças ao vosso nome, porque sois bom (Sl 53,6.8).

Oração do dia

Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Sobre as oferendas


Ó Deus, que no sacrifício da cruz, único e perfeito, levastes á plenitude os sacrifícios da antiga aliança, santificai, como o de Abel, o nosso sacrifício, para que os dons que cada um trouxe em vossa honra possam servir para a salvação de todos. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da comunhão:

O Senhor bom e clemente nos deixou a lembrança de suas grandes maravilhas. Ele dá o alimento aos que o temem (Sl 110,4s).

Depois da comunhão

Ó Deus, permanecei junto ao povo que iniciastes nos sacramentos do vosso reino, para que, despojando-nos do velho homem, passemos a uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor. 

Tempo Comum


Domingo significa dia do Senhor. É comemoração semanal da Páscoa de Cristo e da páscoa dos cristãos. É sempre festa batismal. O mistério pascal de Cristo está sempre no centro. A pascalidade que caracteriza cada domingo é enfocada pela Liturgia da Palavra e, particularmente, pelo Evangelho. Assim, os cantos próprios de cada Domingo serão escolhidos a partir da mensagem central da Palavra de Deus. Mas, atenção! Temos hoje o Ano A (Evangelho segundo Mateus), Ano B (Evangelho segundo Marcos) e Ano C (Evangelho segundo Lucas). E mais duas observações importantes: 
  • 1) Cada Evangelho traz uma maneira própria de apresentar Jesus em sua ação.Mateus, o Evangelista do novo Moisés, da nova Lei, da generosidade do amor, do Sermão da Montanha. O Evangelho dos mistérios do Reino revelados pelas parábolas, o evangelho da Comunidade eclesial e da missão. Marcos, o Evangelho da fé em Jesus Cristo como Deus, do discipulado que passa pelo mistério da cruz para chegar à ressurreição. No Ano B se insere o Capítulo 6 de São João, que apresenta Jesus Cristo como o Pão da Vida, excelente oportunidade de aprofundamento do mistério eucarístico, centro de toda a vida da Igreja. Lucas, o Evangelho da vida cristã, da conversão permanente, da misericórdia, da vida de oração, da hospitalidade, da vida de desprendimento das riquezas, da vida no espírito Santo. 
  • 2) Em cada Evangelho aparece uma dinâmica interna, que vai do início da pregação de Jesus, chamando os discípulos, até os discursos sobre as últimas realidades. Cada ano a Igreja é convidada a seguir os passos de Jesus Cristo sob a ótica do respectivo Evangelho. A Equipe de Celebração escolherá os cantos, tendo em vista essa dinâmica dos Domingos durante o Ano, ou Domingos do Tempo Comum. Portanto, os critérios são: o caráter pascal de cada Domingo; o Evangelho à luz de toda a Liturgia da Palavra, o caráter de cada Evangelista e a dinâmica interna de cada Evangelho.


Cristo, o verdadeiro pastor que nos apascenta
I. Introdução geral
O tema do Deus pastor e do Messias pastor é o fio condutor das leituras de hoje. Esse tema tão importante do Antigo Testamento é reinterpretado com frequência pelo Novo Testamento. O evangelho sintetiza no simbolismo do pastoreio as intensas atividades de Jesus junto ao povo e o cuidado com os discípulos. Totalmente entregue à tarefa de proclamar o reino de Deus, Jesus se dedica com intensidade ao cuidado do rebanho que o Pai lhe confiou. Cristo, o verdadeiro pastor, não se comporta como os líderes religiosos a quem o profeta Jeremias critica como maus pastores que não cuidaram do rebanho de Deus. A vocação ao pastoreio foi dada por Jesus aos seus seguidores, não é exclusiva da hierarquia da Igreja. Todos os cristãos são convidados a continuar a missão de Cristo e, para que isso seja possível, é necessário fixar os olhos nele, modelo e critério do pastor.
II. Comentário dos textos bíblicos
  1. Evangelho (Mc 6,30-34): A multidão era como ovelhas sem pastor
Os apóstolos que tinham sido enviados dois a dois se reuniram novamente a Jesus e contaram tudo o que tinham realizado.
Como bom pastor, Jesus reúne suas ovelhas e as leva ao deserto para descansar. O deserto era o lugar onde o pastor costumava reunir suas ovelhas para restaurarem suas forças (cf. Sl 23,23). A atitude de Jesus demonstra seu cuidado para com seus discípulos. Ele cuida com carinho e atenção de suas ovelhas, levando-as para um lugar propício, devido à vida fatigante que levam com ele em prol do anúncio do reino. Todos, em certo momento, precisam dirigir-se ao deserto para estar a sós com o Senhor, recuperar suas forças e, depois, retornar à missão de anunciar o reino.
Também a multidão percebeu a intenção de Jesus e o seguiu para fora da cidade. A multidão vinda de várias cidades evoca a promessa de que o Messias deveria reunir os judeus dispersos pelo mundo. E Jesus percebeu a carência profunda desse povo. Ele se compadeceu porque eram como ovelhas sem pastor, famintas da palavra de Deus. Os supostos pastores do povo, que deveriam alimentá-lo com a palavra de Deus, estavam sendo omissos nessa missão.
O povo foi em busca de Jesus porque viu nele o verdadeiro pastor e encontrou nele o mesmo cuidado dedicado aos seus discípulos. 
  1. I leitura (Jr 23,1-6): Ai dos pastores que dispersam meu rebanho
Por meio de Jeremias, Deus condena a conduta dos maus pastores, os líderes religiosos daquela época. Em vez de reunir as ovelhas (o povo de Deus), dispersavam-nas. Em vez de cuidar delas, deixavam-nas perecer. Essas duas atividades principais do pastoreio, reunir as ovelhas e delas cuidar, estavam sendo negligenciadas pelos pastores do povo. Por isso Deus mesmo cuidará de suas ovelhas e as entregará a pastores mais dignos.
Além do simbolismo do pastor e do rebanho, o texto de Jeremias utiliza o símbolo do brotinho nascido de um tronco de árvore cortada. Esse brotinho representa o Messias, o rei pastor, sob cujo governo as ovelhas dispersas de Israel serão finalmente reunidas e poderão desfrutar de segurança, justiça e paz.
  1. II leitura (Ef 2,13-18): Reconciliados com Deus mediante a cruz
Ainda no quadro da salvação universal realizada por Deus por intermédio de Cristo, a segunda leitura nos lembra que, pela cruz, as ovelhas dispersas, não pertencentes ao povo de Israel, mas às outras nações, foram reunidas ao antigo povo de Deus. Israel bem como as demais nações foram reconciliados em Cristo e se tornaram amigos de Deus. Todos os seres humanos foram irmanados por meio de Jesus, todas as ovelhas foram reunidas em um só rebanho no Messias. Todos receberam um só Espírito. Tudo isso é o fruto da oferta da vida que Jesus fez a Deus por suas ovelhas.
III. Pistas para reflexão
– Lido com olhos cristãos, o salmo responsorial delineia a figura de Jesus, o bom pastor, e expressa a alegria dos fiéis: “O Senhor é meu pastor, nada me falta” (Sl 23,1). Jesus é o pastor que cuidadosamente guarda seu rebanho, defende-o dos perigos, alimenta-o com a rica mesa de sua palavra e do seu Corpo e Sangue.
– É importante enfatizar na homilia a experiência existencial e profunda de cada cristão com o Cristo ressuscitado. A eucaristia já não pode ser entendida como uma obrigação do católico, mas como o momento em que Cristo reúne suas ovelhas, após os trabalhos e as lutas por um mundo melhor, para que possam restaurar suas forças e ser alimentadas por sua palavra e pelo pão eucarístico.
– Também é importante que as celebrações efetivamente proporcionem um encontro pessoal e comunitário com o Ressuscitado, em vez de serem rituais mecânicos e enfadonhos, em que o presidente da celebração pronuncia palavras vazias de espiritualidade e vida plena. Não esqueçamos a palavra de Jeremias: “Ai de vós, pastores, que dispersam e destroem as ovelhas”.

Aíla Luzia Pinheiro Andrade, nj

Graduada em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará e em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (Faje – BH), onde também cursou mestrado e doutorado em Teologia Bíblica. Atualmente, leciona na Faculdade Católica de Fortaleza. É autora do livro Eis que faço novas todas as coisas – teologia apocalíptica (Paulinas). E-mail: aylanj@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...