A formação do músico católico é fundamental e a pedra principal é sua obediência e concordância litúrgica.
CASO O PLAYER DE ÁUDIO NÃO CARREGUE, ATUALIZE O NAVEGADOR ATÉ QUE SEJA ATIVADO O botão "PLAY".

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

COMO DEVE SE COMPORTAR UM MINISTRO DE MÚSICA?

O ministro de música é aquele que está à frente de um grupo ou de um ministério. Assim como, nos países democráticos, há o Ministro da Defesa, da Agricultura, do Trabalho, entre outros, que discursam, legislam e atuam em favor do povo e não de si mesmos, deixando em segundo plano seus interesses pessoais em prol da defesa e dos direitos e deveres do cidadão, o mesmo acontece com os ministros de música, designados pelo próprio Deus a exercer seu ministério, sendo voz do Senhor para o povo.

São Paulo, em sua carta aos Coríntios diz que “Não damos a ninguém motivo de escândalo, para que o nosso ministério não seja desacreditado. Pelo contrário, em tudo nos recomendamos como ministros de Deus, por uma constância inalterável, em tribulações, necessidades, angústias, açoites, prisões, tumultos, fadigas, vigílias, jejuns, pela sinceridade, conhecimento, paciência, bondade; pelo Espírito Santo, pelo amor sincero” (II Cor 6,3-4 ).

Por isso todo aquele que está à frente de qualquer ministério deve ser coerente com o que é ensinado pela Igreja, seja no modo de se vestir, seja no modo de agir, assim como na vivência dos princípios cristãos, tanto dentro quanto fora da igreja, pois quer queira ou não o músico é tido como exemplo.


Não sejamos motivo de escândalo a ninguém, pois somos "ministros de Deus", falamos em nome d'Ele, precisamos assumir que somos ministros do Senhor tendo essa identidade. Representamos Jesus no campo da música e fomos investidos do poder d'Ele para executar a música aonde Ele nos quiser enviar e nos fazer embaixadores d'Ele.

Somos escolhidos para fazer a vontade de Deus e não a nossa, pois o Senhor nos escolheu por primeiro (cf. Jo 15,12-17). É Deus quem nos escolhe, nos separa e nos capacita para sermos amigos e servos d'Ele. A partir disso, somos revestidos pelo poder do Altíssimo. E por que somos revestidos? Porque estamos em combate, pois “As armas do nosso combate não são carnais” (II Cor 10,4-5).


Vemos o poder da música, quando esta é executada com unção, trombetas e o clamor de todo o povo, como na passagem bíblica que narra a queda das muralhas de Jericó:

“O povo clamou e os sacerdotes tocaram as trombetas. E logo que o povo ouviu o som das trombetas. E logo que o povo ouviu o som das trombetas, levantou um grande clamor. A muralha desabou [...]” (Js 6,20).

(Trechos retirados e adaptados do livro: "Formação Espiritual de Evangelizadores na Música" de Roberto Tannus)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...